quinta-feira, 24 de novembro de 2011

E só por causa das "tosses"...

... estou mesmo inclinada a tirar 5 em vez de 4 meses de licença de maternidade.


Só mesmo para chatiar (e para ter mais um mês para mimar a minha cria, porque o dinheiro não é tudo)!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Ainda nem acredito naquilo que os meus ouvidos ouviram!



Assim como quem não quer a coisa, o meu "chefe" mandou um tipo de "recado" pela minha "colega"... Caso eu quisesse, durante a licença de maternidade poderia vir mais cedo trabalhar e trazer a bebé comigo.


Não sei se ria se chore...


Só lhe perdoo porque é homem e não sabe o que diz.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Comunicado à Calzedonia




É realmente uma menina!
Para onde envio a minha morada para nos enviarem o cheque-brinde?

Casa dos segredos - uma amostra da sociedade

Já sei que para alguns a visualização destes reality-shows são uma pura perda de tempo, mas eu já assumi aqui que até gosto de ir acompanhando.

E chego à conclusão que aquilo não é nada mais, nada menos que uma amostra da sociedade em que vivemos e dos valores que se praticam.

As pessoas mentem, manipulam, influenciam tudo com um único objectivo: ganhar o jogo e o dinheiro.

Claro que nem tudo é mau, e no meio de tanta jogada há sempre sentimentos verdadeiros e pessoas genuínas... mas cada vez são mais raros.


Para mim tudo se resume a uma questão: É importante ser bom jogador para se ganhar o jogo, mas ser bom jogador implica ter falta de carácter e de valores morais? No meu ver não!

Mas as pessoas usam a desculpa que estão a jogar para poderem usar os truques mais baixos.


E se isto se passa na Casa dos Segredos o mesmo se passa na vida real.


A ganância pelo dinheiro, pelo poder, pelo status... a ambição desmedida, a competitividade cega, os sentimentos egoístas e egocêntricos... transformam a maioria das pessoas em monstros sem moral nem valores, que justificam os seus actos com o fim, mas sem olhar a meios...

terça-feira, 15 de novembro de 2011

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

E são estas as minhas condições de trabalho





A isto se chama um departamento de informática eficiente... ou não!

Síndrome do iogurte estragado




Há já algum tempo que vos disse neste post que iria partilhar convosco a teoria do síndrome do iogurte estragado... hoje é o dia.

Está teoria está quase provada cientificamente, não é Bug?

Este síndrome pode verificar-se tanto no género feminino como no masculino e começa-se a registar na faixa etária dos 25 aos 35 anos.

Acontece quando um individuo que se encontra nesta faixa etária não consegue ter ou manter uma relação amorosa séria e duradoura, enquanto os semelhantes já têm companheiros, casaram ou juntaram-se e alguns até já têm filhos.

Aqui começam a surgir os primeiros sintomas do encalhado: depressões, ansiedades, procura incansável por uma parceiro para mostrar em sociedade, alterações brusca de humor, etc.

Devido a estes sintomas são arrastados para relações estranhas que começam do nada e os leva a dar tudo pela tão desejada felicidade e solidez... e é normal ouvir-se em menos de um mês de relação: " É o homem/mulher da minha vida"; "Já dorme todos os dias na minha casa"; "Já não consigo viver sem ele/a".

Mas querem tanto forçar as coisas para que corram bem, querendo para isso saltar alguns patamares importantes nas relações para que tudo se desenrole mais rápido que, na maioria dos casos, acabam por sufocar e afugentar o parceiro, que foge daquela marcação a sete pés.

E depois, é o drama, a tragédia, o horror... o mundo desaba, ficam na merda sem entender porque dão sempre tanto e recebem tão pouco, isolam-se e acham que o mundo todo (entenda-se amigos) tem que parar para os consolar. E esta fase só termina quando surge novamente uma presa na área... e tudo começa novamente, como se fosse um ciclo vicioso.

Claro que depois até os amigos se afastam, porque depois de muitos avisos e conselhos, já ninguém aguenta tanto drama.

E resumidamente é esta a teoria do Síndrome do iogurte estragado: as pessoas acham que têm uma validade no que diz respeito ao amor, e quando esse prazo pré-estabelecido por elas próprias está perto do fim, começam a forçar as relações arranjando com isso imensas embrulhadas e afugentado tudo e todos de si devido às suas atitudes.

E depois acham que o mundo está contra elas... mas são elas que contribuem sozinhas para isso!




Esta teoria tem como base casos de estudo verídicos

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Sonhos

Se há coisa que me intriga e para a qual eu gostava de arranjar explicação é para os meus sonhos.

Geralmente, não são sonhos muitos bons, nem repletos felicidade... mas também não são pesadelos.

São coisas banais e que poderiam ser quotidianas... mas o que me intriga mesmo é com as pessoas com quem sonho (que geralmente não fazem parte do meu dia-a-dia), os lugares, a maneira como me vejo a mim mesma... e depois de acordar, a forma concreta e clara como os recordo.


Sonho muitas vezes e, ao contrário da maioria das pessoas, só não sonho quando não estou confortável (uma noite mal dormida, uma cama estranha, etc.).

Em geral todas as noites sonho... mas muitas vezes são imagens tão fugazes ou sem nexo que depois de acordar são arrumadas no esquecimento.

Porém, há alguns casos pontuais em que esses sonhos são tão reais e ficam tão presentes que são capazes de me afectar por uns dias.


No caso das pessoas envolvidas nos sonhos, locais ou assuntos serem alvos possíveis de pesquisa, tenho por norma ir à procura de informação que me possa dar uma luz sobre o significado daquilo que sonhei.

Geralmente esta pesquisa não trás grandes frutos, mas gera muitas vezes coincidências engraçadas... como por exemplo, o que sonhei esta noite foi alvo de reportagem no telejornal da noite de um canal nacional.

Não seria nada de surreal se eu tivesse visto a reportagem, e à noite o meu cérebro fosse novamente buscar o assunto... mas não, não a vi, e só hoje depois de pesquisar o tema é que tive conhecimento de tal reportagem.


Isto faz-me questionar se não estaria destinado que aquela informação chegasse até mim?

É algo tão simples e tão sem importância, mas que me faz questionar sobre tantas coisas nesta vida...